top of page
Search

Veja mais


 

Autores: Anna Książek, Andrea Pucci

Tradução: Renzo Rocha

 

No começo, pensei que nem mencionaria sua cegueira. Talvez eu escrevesse sobre isso apenas no final, como uma informação adicional. Em suma, por que deveria ter um significado tão grande? Mas, de fato, tem. Porque Yoshi com sua crença, atitude e engajamento, com sua maneira de lidar com pequenos e grandes problemas diários, com seu entusiasmo e otimismo estava abrindo nossos olhos a cada um dos poucos dias que pudemos passar com ela em Phrao, Tailândia, onde lidera o projeto Always Reading Caravan (ARC). Mas antes de escrever mais sobre isso, vamos dar uma olhada na história de Yoshi, que a levou ao ponto em que está hoje.


Eu gostava de ler desde pequena. Foi meu avô que lia principalmente para mim desde que eu tinha 2-3 anos de idade. Eu realmente gostei do mundo das estórias. Quando fui para a escola primária, aprendi Braille rapidamente, fiquei motivada, sabia ler e não precisava pedir que outras pessoas me ajudassem. Desde então, ler por prazer faz parte da minha vida. Outra coisa é que, como cega, sempre fui ajudada e ainda ajudo muito. O que realmente não gostei é o sentimento de não poder contribuir de volta. É quase como uma fobia, eu não quero pensar que sou inútil.


Quando eu tinha uns 12 anos, comecei a aprender inglês. Gostei muito, gosto da comunicação em geral, me abriu uma maneira de me comunicar com alguém com quem eu não poderia interagir. Quando fui para Tóquio, percebi que também posso estudar no exterior.


Quando eu tinha 18 anos, fui para a América, onde conheci muitas pessoas de diferentes origens. No Japão, de onde eu sou, somos todos muito parecidos. Não temos muitos imigrantes. Também não vemos muitas diferenças de riqueza. Não existem muitas pessoas muito pobres ou muito ricas. Quando temos deficiências, é mais provável que recebamos educação em escolas especializadas. Nasci cega, mas fui para essas escolas especiais onde a maioria dos colegas tinha uma situação semelhante à minha. Eu não tinha muita experiência com pessoas de origens muito diferentes. Eu gostava de ler sobre eles em livros, assistia TV ou ouvia rádio, mas nunca tive amigos que sobreviveram a uma guerra, ou que foram abusados ​​pelos pais, ou que eram refugiados que precisavam se adaptar a um novo país. Quando os conheci na América, foi realmente uma experiência reveladora: Uau! Pessoas assim realmente existem e são como você e eu. Eles têm os mesmos problemas, são largados pelo namorado, não gostam de espinafre, coisas normais. Comecei a me interessar muito pelo Desenvolvimento Internacional. Eu entendi a sorte que tive por ter pais compreensivos.


Na América, comecei a me interessar pela Tailândia. Durante meus anos de universidade, voltei lá algumas vezes para trabalhar ou intercambiar. Antes de me mudar para cá, tive dois anos de trabalho em Tóquio para uma grande empresa, mas realmente não gostei. Eu tinha um salário bastante bom, mas não achava que estava beneficiando ninguém. Eu sentia que meu trabalho era tão inútil. A essa altura, eu já sabia sobre Kanthari e decidi me inscrever.


A Kanthari é uma organização na Índia que oferece um programa de liderança de 7 meses para visionários que superaram as adversidades e desejam promover mudanças sociais éticas em qualquer lugar do mundo.


Para me candidatar a Kanthari, eu precisava de alguma ideia. Eu não queria fazer as coisas apenas para cegos. A área “Deficiência e Desenvolvimento” é tão pequena, todo mundo conhece todo mundo, eu queria fazer algo diferente. Eu sempre quis promover a sociedade inclusiva. Naquela época, eu já havia visitado a Tailândia muitas vezes e percebi que as pessoas não leem, especialmente nas áreas rurais, assistem TV, mas muitas vezes não têm nem um livro. Para mim, isso é incrível, como os pais não podem ter livros para seus filhos. Eu realmente queria fazer algo sobre isso. Eu escrevi no meu projeto de candidatura que queria criar uma biblioteca para todos. Eles me aceitaram, então fui para o curso de vários meses. A certa altura, tive a ideia de criar a biblioteca móvel, para que pessoas com deficiência ou idosos ou pessoas com bebês pequenos ou doentes pudessem usá-la. Foi assim que toda a ideia começou.


Yoshi chegou à Tailândia em fevereiro de 2010 e, num primeiro momento, começou a implantar sua ideia em Bangkok. Mas, desde o início, ela sentiu que não era um lugar em que realmente era necessária. Em setembro de 2011, mudou-se para Phrao, no norte, a duas horas de ônibus de Chiang Mai. Aqui ela apoia pequenas comunidades locais e tribos nas colinas. Suas ações se concentram em três elementos principais: a biblioteca, o serviço móvel de bibliotecas e os centros infantis.


No início, com To, meu primeiro funcionário, organizamos uma biblioteca móvel usando uma moto. Mas nesta parte da Tailândia, as pessoas são tímidas, têm paredes um pouco mais altas. Elas não se atrevem a nos procurar quando chegamos de moto, tentando incentivá-las a pegar livros emprestados de graça. Elas queriam saber mais sobre quem somos e o que fazemos. Por isso, abrimos um local que funciona como biblioteca. Mas ainda mantemos o serviço móvel: uma vez por mês, visitamos escolas, pessoas com deficiência, doentes ou idosos. Tentamos alcançar, com o serviço de bibliotecas móveis, também as tribos das colinas. Eu não pensava nisso antes, mas quando fui para as aldeias nas colinas, percebi que as pessoas nessas comunidades não falam tailandês, elas falam seus próprios idiomas. Portanto, não faz sentido levar a biblioteca móvel para lá. Depois de consultar a população local, decidimos abrir um Centro de Alfabetização Infantil. Não estava no nosso plano original, mas acabou sendo necessário, então fizemos. Abrimos 3 centros, 2 dos quais ainda estão funcionando.


Antes de Yoshi chegar ao ponto em que está agora, ela teve que superar muitos problemas. Primeiro, ela teve que convencer a comunidade local sobre o projeto e sobre si mesma: ela é cega, o que já é atípico para os habitantes de Phrao. Além disso, ela é do Japão. Mas hoje ela é um membro respeitado da comunidade. O terceiro aniversário da biblioteca, que tivemos a sorte de assistir e ajudar a organizar, contou com a presença de cerca de 150 pessoas. Uma grande conquista em uma vila tão pequena. É também isso que motiva Yoshi a continuar.


Eu realmente gosto de ver que a comunidade se desenvolve em torno da biblioteca. No começo, ninguém prestou atenção. Havia poucas pessoas emprestando livros e era assim. Agora, temos atividades regulares para crianças e centros de alfabetização. Está realmente crescendo para fazer parte da comunidade. Para mim, o projeto ARC deve funcionar não como uma biblioteca simples, mas como um centro comunitário. Gosto muito do crescimento do projeto e das crianças que continuam chegando. Eu sinto que o que fazemos vale a pena. É motivador para mim. Eu sempre quero passar a mensagem: todo mundo pode doar, não importa as circunstâncias. Algumas pessoas olham para mim, para o nosso projeto e descobrem que também podem fazer algo, mesmo que não tenham muito dinheiro, propriedade ou educação.


A coragem e o trabalho duro diário de Yoshi motivam muitas pessoas a realizar suas próprias ações. Sua cegueira não é indiferente neste caso: as pessoas veem que, se este não é um grande obstáculo a doar-se, significa que realmente todos podem fazê-lo. Que outro significado tem a cegueira de Yoshi?


Bem, tem consequências positivas e negativas. Negativo: limitação no trabalho. Não sei dirigir, não consigo fazer muito trabalho físico. Há tantas coisas que as pessoas com visão podem fazer mais rapidamente. Talvez se eu fosse capaz de mudar isso mudaria minha relação com os funcionários. O que eu faço é invisível para eles. Eles só veem as pessoas que eu trago, o dinheiro que ganho, mas não me veem trabalhando muito fisicamente. Para uma comunidade operacional como essa, pode não ser tão fácil se envolver. Além disso, em relação às crianças, é um pouco difícil se envolver com as pequenas, pois elas têm medo de pessoas diferentes. Não tenho muito contato com elas, o que é triste, porque gosto muito de trabalhar no campo.


O ponto positivo é que posso vender melhor o meu projeto. É estranho para as pessoas: uma mulher japonesa cega com um projeto tailandês. É bom chamar a atenção. Muitas vezes não conseguimos atrair pessoas, há tantas informações no mundo, ativistas sociais, ONGs. É tão difícil ter o interesse de alguém. Essa é a maior vantagem de ser cega.

Outra coisa é que tenho sentimentos em relação às pessoas que são ajudadas o tempo todo. Posso dizer que tenho menos tendência a uma abordagem social de cima para baixo. Tentamos coexistir. Sempre dizemos às pessoas que nos ajudam que sem elas não poderíamos existir. Também nas aldeias pedimos às pessoas que ajudem: “venham limpar o centro infantil de tempos em tempos”, “tragam frutas para as crianças”. É muito importante envolver as pessoas.


Um dos meus maiores desafios são os recursos humanos. Em parte porque estamos em uma área remota. Eu não acho que seria tão difícil em Bangkok. Mas aqui, se você deseja ter pessoas da comunidade, é muito difícil equilibrar entre a utilização de recursos humanos e atender às suas necessidades. O que podemos oferecer atende às expectativas deles? Os trabalhadores estão comprometidos, mas não são sonhadores como eu. Ainda há uma diferença, o nível de comprometimento é talvez um pouco menor do que eu gostaria de ver, mas se você tem alguém da comunidade, eles são realistas e bastante materialistas.

Outro desafio é encontrar uma pessoa a quem eu possa confiar a organização. É como uma mãe com seu bebê. Uma mãe ama demais o seu bebê. Você pode contratar uma babá muito boa, mas ela está trabalhando apenas por dinheiro, não é amor incondicional.

E o que é necessário para mudar?Para ser um changemaker, você precisa ser um pouco sonhador. Este mundo é tão cheio de coisas ruins. Se você apenas lê um jornal e acredita nele, não há espaço para sonhar. Na Ásia, e suponho que também em muitos outros países, frequentemente somos desencorajados, dizem para esquecermos nossos sonhos e nos concentrarmos no trabalho. Você precisa ser capaz de se posicionar e dizer: "Eu ouso sonhar". Você tem que ser um pouco idealista, louco. As habilidades práticas podem vir mais tarde. Se você é apaixonado o suficiente, pode convencer as pessoas a se unirem ao seu sonho, a fazer coisas com você. Eles também começam a acreditar. Sonhe. E é assim que os sonhos se tornam realidade.


 

Changemaker, Yoshimi Horiuchi - formada no programa Kanthari, fundadora e líder da Always Reading Caravan em Phrao, Tailândia.

Yoshi e sua equipe em sua biblioteca durante um evento organizado para comemorar o aniversário de sua organização. Todas as pessoas que trabalham na biblioteca são de Phrao ou de vilarejos próximos.

O Centro para Crianças, construído pela Always Reading Caravan, em uma aldeia do planalto. As crianças das tribos das montanhas costumam falar sua própria língua, muito diferente do tailandês. Nos Centros Infantis, eles podem aprender tailandês básico e desfrutar de leitura e aprendizado comuns.

Yoshi escuta cuidadosamente uma descrição da paisagem, desfrutando de ar fresco, cheiros, sons da natureza e vista em sua própria imaginação.

Biblioteca ARC em Phrao cheia de crianças usando livros. A maioria dos livros foi doada por pessoas que acreditam na missão e visão da biblioteca.


 

Você encontrou algum erro no texto? Você gostaria de apoiar-nos na tradução dos "Cenários" e das "Estórias" para diferentes idiomas? Contate-nos agora mesmo! Nós estamos constantemente procurando pessoas para nos ajudar com outros idiomas. Vamos juntos tornar os materiais dos Changemakers disponíveis para mais pessoas! --> hello@exchangetheworld.info


Mais estórias dos Changemaker: exchangetheworld.info



Comentarios


bottom of page