top of page
Search

Seja a centelha


 

Autores: Anna Książek, Andrea Pucci

Tradução: Renzo Rocha

 

Não é por acaso que a Associação Polonesa de Escotismo e Guias é um dos nossos parceiros: uma de nós, Anna, é escoteira há mais de 20 anos e ocupou muitos papéis diferentes em quase todos os níveis da organização. Além disso, um dos principais pensamentos deixados por Robert Baden Powell, fundador do escotismo, era “deixar este mundo um pouco melhor do que você o encontrou”. Não é uma das definições de “fazer a mudança”? Por último, mas não menos importante, escotismo significa pessoas. Pessoas incríveis, de todo o mundo, unidas sob os mesmos valores. Escotismo significa amizades para a vida toda, construídas durante discussões noturnas, ações comuns, viagens, enfrentamento de desafios em conjunto. E, graças a uma dessas amizades, Anna e Andrea conheceram Dan.


Atualmente moro em Phnom Penh, mas sou de Sandeck, uma pequena vila a cerca de 80 quilômetros da capital - diz Dan. Em maio de 2013, visitei minha casa e dois dos meus sobrinhos me pediram ajuda. Eles queriam estudar inglês, mas não tinham dinheiro. Decidi patrociná-los, mas depois vieram outras 10 crianças: tio, tio também queremos aprender inglês. Eu pensei que se eu ajudasse apenas meus dois sobrinhos, o resto não teria chance de aprender. Como posso apoiar essas 10 crianças? Esse foi o começo da mudança. Encontrei um estudante do ensino médio, ele sabia um pouco de inglês e concordou em transferir seu conhecimento para essas crianças por 15 dólares por mês. Naquela época, eram 15 a 20 alunos todos juntos. Então tivemos vários desafios e problemas no caminho, mas, no fim das contas, estava crescendo e crescendo e hoje temos mais de 200 alunos vindo para a casa dos meus pais, onde na varanda montamos uma espécie de sala de aula.


Tivemos a chance de ensinar inglês para esses 200 alunos - de 8 a 17 anos - por uma semana. Uma experiência inesquecível. A primeira aula começa às 6h. Das 7h às 11h, há um intervalo, é hora da escola pública. Depois, existem mais dois grupos, seguidos por uma hora de intervalo. Por fim, os últimos três grupos entre 15h e 18h. Essa é a rotina de segunda a sábado.


Lembro-me de uma vez que voltei para casa no fim de semana e queria dormir até as 7 ou 8h, como faço em Phnom Penh. Mas de manhã cedo as crianças vieram à minha casa e, enquanto esperavam pela professora, leram o livro de inglês, me acordando. Comecei a ouvir: foi incrível! Eles podiam ler em inglês! Eu nunca havia visto isso antes. Eu senti uma mudança real. Uma mudança nos filhos, mas também nos pais. Não se tratava apenas do inglês, mas da educação em geral. Quando eu era jovem, as pessoas não valorizavam a educação. Eles diziam que eu estudava porque era preguiçosa, evitando ajudar meus pais no campo de arroz. Mas produzir arroz é um trabalho muito difícil e mal remunerado. Tentei mostrar a eles o quão importante é a educação e como isso pode mudar sua vida. Mas não posso mudar os pais, tenho que mudar os filhos primeiro.


No começo, Dan pagou a taxa para aqueles que queriam aprender inglês. No entanto, logo o número de estudantes era grande demais para o seu bolso. Felizmente, não foi apenas o número de alunos a crescer, mas também a conscientização dos pais, que começaram a reconhecer a importância da educação. Hoje, 91 estudantes ainda são pagos por Dan, enquanto os próximos 100 se pagam, cerca de 2 dólares por mês. 2$... não parece muito, mas para muitos deles é mais do que podem pagar. Sandeck é uma vila muito pequena, seguindo ainda o modo de vida tradicional. As pessoas ganham a vida cultivando arroz - trabalho duro e físico. Na vila não há eletricidade, nem água corrente. Os problemas diários se resumem ao que colocar na mesa e se há roupas suficientes para vestir, em vez de aprender inglês.Para a maioria deles, fomos as primeiras pessoas brancas que viram na vida. Muitos vieram à casa dos pais de Dan, apenas para nos observar. Em seus olhos havia curiosidade; uma curiosidade simples, sem essa expectativa de sermos uma fonte de dinheiro, bastante comum no sudeste da Ásia. Eles ficaram gratos por termos chegado lá, por nossa ajuda, pela possibilidade de conhecer Barang.


Muitos moradores me perguntaram para que serve o inglês. E eu disse: você sabe, se você sabe inglês, pode falar com os Barang. Barang são os brancos, embora literalmente signifique "francês". Um legado da colonização francesa. Eles se lembram dos pais falando sobre os Barang, que são altos e falam rápido com uma língua estranha.


Dan foi um daqueles que tiveram a chance de conhecer os Barang e colaborar com eles diariamente. Enquanto trabalhava no escritório de escoteiros do Camboja, ele entrou em contato com escoteiros de todo o mundo, ele passou alguns meses no centro de escoteiros de Kandersteg, na Suíça, e participou do Jamboree no Japão em 2015. O escotismo era um dos elementos que faziam a necessidade de mudar o mundo tão forte nele.


Sempre tive vontade de ajudar os outros. Eu acho que é por causa da minha experiência. Eu também era pobre, sei como é. E também trabalhei em diferentes ONGs. Essas experiências me ensinaram o quanto é importante ajudar os outros. Como escoteiro, aprendi a ser um líder. Para ser um líder, você não pode ir sozinho. Você precisa inspirar as pessoas, ir com elas. Se você atingir seu objetivo, somos sempre nós que o alcançamos, não apenas o líder. Você também precisa conhecer seu pessoal, suas habilidades e ajudá-lo a crescer.Alguns amigos me dizem que eu não me sustento o suficiente. Divido um pequeno quarto com outras 3 pessoas em um templo; como o que resta depois que os monges comeram. As pessoas dizem que eu deveria me concentrar mais em mim: primeiro compre uma casa, um carro; então ajude os outros. Mas se esperar até ficar rico para ajudar os outros... Talvez isso nunca aconteça. Pego o que preciso para sobreviver e, com o resto, quero apoiar os outros. Quando posso ajudar, faço-o. Se estiver além da minha capacidade, vou encontrar uma solução, ligo para as pessoas que conheço para fazermos algo juntos, pelo menos um pouco.


Dan inspira as pessoas não apenas organizando a escola de inglês, mas, sobretudo, mostrando com seu próprio exemplo que é possível e necessário procurar seu próprio caminho, estabelecer metas cada vez mais altas, sem esquecer as pessoas ao seu redor. Ele é definitivamente um líder. Ele é uma centelha que inspira mudanças. Nossa jornada ao redor do mundo é uma busca para essas pessoas e estamos ansiosos para compartilhar suas histórias durante o Jamboree 2023, que - espero - ocorrerá na Polônia com o lema principal “Seja a centelha”.Uma das perguntas que fazemos a nós mesmos com frequência é se o que estamos fazendo realmente mudará alguma coisa. Nossa semana de estadia em Sandeck não mudou muito na vida das próprias crianças. Talvez alguns deles tenham ficado um pouco mais confiantes em falar inglês. Muitos vieram à noite, depois das aulas, para conversar mais, praticar. Mas se realmente tivemos algum impacto, isso está bastante relacionado ao professor Ra, que dia após dia observava nossas aulas tentando colocar em prática novas ideias. Ninguém nunca lhe mostrou como organizar uma aula, como ensinar. Como temos algum conhecimento e experiência nesse campo, pudemos mostrar um pouco a ele, passar algumas de nossas habilidades. Isso dá alguma esperança de pelo menos uma pequena contribuição. Deixar este mundo um lugar melhor é uma tarefa difícil, que requer muita consciência e reflexão sobre se o que estamos fazendo realmente ajudará alguém e como isso influencia todo o sistema.Aula de inglês não significa apenas aprender um idioma, é uma mudança de percepção, entender a importância da educação. É uma pequena centelha a partir da qual uma mudança muito mais profunda na sociedade começará.


 

Changemaker, Dan Ven - fundador e líder do projeto Cam.CEA (Inglês Cambojano para Crianças em Ação), na vila de Sandeck. O objetivo do projeto é dar às crianças das áreas rurais do Camboja a possibilidade de aprender inglês.


Aula de inglês organizada na casa dos pais de Dan, em Sandeck. As crianças desta vila, assim como de muitas outras aldeias, assistem às aulas, elas vêm a pé ou de bicicleta por alguns quilômetros. Na sala de aula há uma pequena biblioteca, acessível para os alunos; acima da biblioteca há a bandeira do Camboja.


Os habitantes da vila de Sandeck produzem arroz, utilizado principalmente para suas próprias necessidades (apenas uma pequena quantidade de arroz é vendida). A colheita é transportada do campo de bicicleta ou pequenas carroças puxadas por vaca.

Reunião de dois grupos em frente à casa de Dan. Um grupo acabou de terminar a aula, outro está prestes a começar. A casa dos pais de Dan, como outras casas em Sandeck, tem dois níveis. No nível superior, há o quarto e, no nível do solo, em um espaço sem paredes, a sala de aula.

Depois de uma semana trabalhando juntos, Anna e Andrea receberam de Dan os lenços nacionais dos escoteiros do Camboja.


 

Você encontrou algum erro no texto? Você gostaria de apoiar-nos na tradução dos "Cenários" e das "Estórias" para diferentes idiomas? Contate-nos agora mesmo! Nós estamos constantemente procurando pessoas para nos ajudar com outros idiomas. Vamos juntos tornar os materiais dos Changemakers disponíveis para mais pessoas! --> hello@exchangetheworld.info


Mais estórias dos Changemaker: exchangetheworld.info



コメント


bottom of page