Search

Casamento de arroz

#estória


Desde o momento em que começamos a procurar Changemakers na Tailândia, todo mundo nos dizia: vocês precisam se encontrar com a Be. Ela lidera um projeto incrível que visa conectar agricultores orgânicos e clientes em potencial. Além disso, ela também é mestra em branding e apoia muitos jovens empreendedores sociais com seu know-how. De fato, o que você nota pela primeira vez no projeto dela, Pookpintokao, é a maneira impressionante de apresentar a ideia.


Be: Temos apenas dois grupos de pessoas na Tailândia: quem cultiva arroz e quem come. Arroz é algo que nos une. É por isso que em nosso projeto, em vez de ter compradores e vendedores de arroz, os chamamos de noivos.


Como diz o material informativo sobre o projeto: "Noivos" são agricultores que já cultivam arroz orgânico ou agricultores prontos e dispostos a livrarem-se de vez de produtos químicos na agricultura intensiva. “Noivas” são pessoas urbanas ou moradores da cidade que desejam comprar arroz orgânico e apoiar os agricultores tailandeses, ajudando a melhorar seu padrão de vida. "Pookpintokao" é um casamenteiro, que reúne os dois lados.


Seasun (membro da equipe "Pookpintokao"): Atuamos como "casamenteiros" que apresentam o "noivo" - agricultor - à "noiva" - consumidores de arroz. É isso que torna nosso projeto único. A relação entre agricultores e consumidores é a chave. Vendedores e compradores têm obrigações diferentes entre si, além de noivos. Vamos imaginar que o consumidor tenha dado dinheiro antecipadamente a um agricultor, mas então uma inundação chega e o agricultor não pode fornecer o arroz. Se eles são compradores e vendedores, o vendedor terá que compensar. Mas se eles são noivos... tentamos explicar às noivas, que o que elas devem fazer não é exigir compensação, mas sim ajudar o noivo, que talvez não tenha nada para comer. O agricultor se torna amigo e, em momentos difíceis, ajudamos nossos amigos e parentes.


B.: E está realmente acontecendo. Isso também funciona ao contrário: às vezes os noivos dão arroz de graça às noivas quando estão doentes ou têm outros problemas. Existem tantas histórias inspiradoras.


Inspiradora é a origem do próprio "Pookpintokao". Tudo aconteceu em alta velocidade. Para relatar algumas datas importantes da linha do tempo do projeto:

Janeiro de 2014 - Notícias na mídia sobre o suicídio de um fazendeiro.

Fevereiro de 2014 - Be publica no Facebook seu desejo de fazer algo para mudar a situação dos agricultores na Tailândia. Dentro de uma semana, um grupo de pessoas interessadas se reúne e discute possíveis soluções. Eles também criam uma página no Facebook, que imediatamente começa a ficar popular.

Março de 2014 - Criação do modelo final do projeto, que visa restabelecer a harmonia e as boas relações entre os tailandeses usando o arroz como meio. No mesmo mês, a mídia mencionou a iniciativa pela primeira vez.

Abril de 2014 - Registro da primeira noiva (até o momento existem mais de 3.000 noivas registradas) e o primeiro noivo (66 deles matriculados a partir de 2015).

Junho de 2015 - O primeiro VIP, um cantor famoso, se junta à ação. Graças a isso, o projeto chega às manchetes e ganha mais de 10.000 curtidas no Facebook. Hoje, Pookpintokao é promovido por 20 celebridades chamadas de “celeb-brides” pelo primeiro-ministro que mencionou o projeto três vezes em seu programa de transmissão nacional.

Considerando a taxa de desenvolvimento, o projeto parece enfrentar um problema real. Para entender melhor, precisamos de uma introdução. Be pega um pedaço de papel e começa a desenhar para nós a história do arroz na Tailândia.


B.: 50-60 anos atrás, as pessoas se conheciam, criavam comunidades, viviam próximas umas das outras. Tivemos uma espécie de cultura de doar e receber. Eu tenho meu arroz; se tenho muito, dou-lhe um pouco, troco ou vendo. Era o suficiente para ganhar a vida. Mas então um dia alguns caras vieram e disseram aos agricultores que eles tinham que cultivar o máximo de arroz possível para melhorar suas receitas e, para isso, introduziram produtos químicos, pesticidas e fertilizantes. O governo decidiu que a Tailândia deveria obter o primeiro lugar na produção de arroz; eles deram dinheiro aos agricultores para mudarem para a produção em massa com produtos químicos e isso mudou tudo. Por causa da produção em massa, o intermediário apareceu no jogo e os comedores e produtores ficaram desconectados. Os agricultores começaram a depender do apoio de intermediários e políticos. Eles não sabem mais como confiar em si mesmos, estão muito acostumados a receber ajuda de fora. Mas eles não são capazes de usá-lo adequadamente, pois têm pouca educação financeira; eles fazem dívidas e precisam de mais dinheiro e mais apoio. É um ciclo. Além disso, eles param de pensar em quem come o arroz, nos consumidores. Eles simplesmente não os conhecem mais. É muito mais fácil adicionar qualquer produto químico ao arroz.


S.: Outro problema é o solo. Na Tailândia, temos um ótimo solo. Tudo o que você planta, cresce. Mas se você começar a usar produtos químicos, você o destrói. Em algumas partes da Tailândia, o solo está morto, você não pode cultivar nada.


Para obter uma visão completa da situação, informações básicas sobre a história e a indústria contemporânea do arroz não são suficientes. É essencial também observar as diferenças na vida cotidiana entre agricultores e consumidores.


B.: Às vezes as noivas reclamam que o arroz tem um sabor diferente do que no mês anterior. Cabe ao noivo explicar que isso se deve ao solo e à água. É uma criação da natureza, você não pode controlá-la, a menos que use produtos químicos. Sempre será um pouco diferente, mas é isso que o torna único e bonito. Também trabalhamos muito na mentalidade das noivas.


S.: As noivas esperam que as coisas sejam rápidas, como na loja de departamentos, nas grandes empresas. Para os agricultores, isso simplesmente não funciona. O estilo de vida deles é mais lento. Depende da natureza, do clima, de muitos fatores dos quais as noivas muitas vezes não estão cientes. Às vezes, os agricultores fornecem produtos que parecem piores que o arroz químico. Mas é muito melhor para as pessoas, muito mais saudável.


A palavra "relação" apareceu constantemente na conversa com Be e Seasun. Desempenha um papel muito importante no caso de noivos. Mas também é crucial continuar o projeto "Pookpintokao", que permanece sem dinheiro e sem status formal.


B.: Esta é a primeira regra: sem dinheiro.


S.: Os patrocinadores que recebem dinheiro pagam diretamente à empresa que, por exemplo, fornece comida ou espaço para um determinado evento. As noivas pagam diretamente ao noivo. Não tocamos em dinheiro. Não queremos que as pessoas nos entendam mal. Muitas vezes, quando o dinheiro começa a fluir para o projeto, as pessoas ficam desconfiadas.


B.: Também queremos mostrar aos outros que você não precisa ter dinheiro para fazer algo de bom para a sociedade. Além disso, não temos status oficial. Tudo o que fazemos é informal. Não queremos registrar nada. Queremos dedicar nosso tempo para apoiar os agricultores e criar relações, sem desperdiçá-lo em formalidades. O que faz com que a iniciativa seja sustentável são as pessoas que desejam participar, não a forma em si. As pessoas têm que considerar comprar arroz saudável e orgânico como algo normal em sua vida diária.


Muitas pessoas pensam que cultivar orgânico é uma loucura. Você deve parar de usar produtos químicos por 3 a 5 anos antes de poder reivindicar a produção orgânica. Durante esse tempo, você não pode confiar em ninguém. Não existe um sistema para migrar pessoas da agricultura química para a orgânica. Você produz 30% do que produziu no ano anterior e seu arroz não é tão bonito. Além disso, você precisa encontrar outro moinho para evitar que sua colheita se misture ao arroz de produção em massa. Para a maioria dos agricultores, esse é um beco sem saída, eles não podem ir por esse caminho. É por isso que eles ficam com produtos químicos. Eles têm que ser muito corajosos para mudar isso.

S.: Eles também precisam encontrar o mercado. Mas este está desconectado há 50 anos. Se eles não conseguem encontrar clientes para o seu arroz orgânico, eles precisam vendê-lo como comum para sobreviver, e costumam voltar a usar produtos químicos. Aqueles que são capazes de continuar com orgânicos já são líderes fortes o suficiente para encontrar o mercado. Nós os ajudamos a encontrar clientes, mas nunca prometemos igualar sua capacidade. Nós os capacitamos, treinamos, apoiamos, damos conhecimento para que eles possam se sustentar. Agricultores orgânicos são verdadeiros heróis. Líderes e exemplos para suas próprias comunidades.



Changemaker, Pradhana Chariyavilasakul (Be) - uma das iniciadoras do projeto Pookpintokao, cujo objetivo é construir relações entre agricultores e clientes orgânicos, e Seasun Tanesvivat - voluntário em Pookpintokao.



O logotipo de Pookpintokao mostra um noivo e uma noiva, pessoas ligadas a uma relação mais profunda que a frágil que conecta vendedor e cliente.



Campo de arroz na Tailândia. O arroz é o elemento básico de quase todas as refeições neste país.

Você encontrou algum erro no texto? Você gostaria de apoiar-nos na tradução dos "Cenários" e das "Estórias" para diferentes idiomas? Contate-nos agora mesmo! Nós estamos constantemente procurando pessoas para nos ajudar com outros idiomas. Vamos juntos tornar os materiais dos Changemakers disponíveis para mais pessoas! --> hello@exchangetheworld.info


Mais estórias dos Changemaker: exchangetheworld.info