Search

De volta às raízes

#estória


Encontramos o Tor mais de três horas antes da reunião agendada. Chegamos ao shopping combinado como ponto de encontro diretamente da estação de trem de Bangkok, planejando esperar em alguma lanchonete, trabalhando na GoodNewsLetter ou em outras coisas. Antes de conseguirmos encontrar um lugar para sentar, um homem parado na nossa frente perguntou:


Anna?


Tor?


Ele nos reconheceu pela nossa foto e em 5 minutos nos abriu seu mundo do arroz.


Vou à Unilever vender meu arroz orgânico. Não há nenhuma razão para vocês esperarem aqui, apenas venham e me ajudem lá!


Pouco tempo depois, conhecemos os tipos, nomes e preços de seu arroz, além de 2 a 3 palavras no idioma tailandês. Também sorrimos muito e foi o suficiente para 3h de vendas. Às vezes era muito calmo, então podíamos conversar com Tor e começar a conhecê-lo melhor. Às vezes havia tantos clientes que mãos adicionais para ajudar provaram ser muito úteis. Após terminar as vendas, fizemos um passeio de carro de 4h (com uma pausa para um delicioso jantar tailandês no restaurante do amigo de Tor) para chegar à casa de Tor em Korat (Nakhon Ratchasima). No caminho, ele apresentou sua realidade nos dizendo como ele se tornou um fazendeiro.


Eu fiz muitos trabalhos na minha vida. Trabalhei como Chef, tinha meu próprio restaurante, mas não sou um cozinheiro talentoso. Antes da agricultura, eu trabalhava como corretor em Bangkok. Ganhei um bom dinheiro, mas não estava muito feliz. Por isso, decidi largar tudo e voltar à minha cidade natal para me tornar um fazendeiro. Eu gosto de ver o produto do meu trabalho. Se você planta arroz, vê como cresce, mudando a cada dia.


Tor voltou para a localidade de sua família, comprou um terreno e começou a cultivar arroz.

Decidi voltar aqui também porque sentia falta da minha família. Eu queria estar perto deles, eles também podem me apoiar. Mas voltar não seria fácil. Estando em Bangkok por tantos anos, me acostumei a outro estilo de vida. As pessoas aqui são muito teimosas, não estão abertas para experimentar coisas novas. É muito difícil convencê-las a fazer qualquer mudança.


Não é fácil lutar contra hábitos e costumes. Tor mencionou frequentemente que nem a família dele entende. Ele faz um grande esforço para afetar a vida dos agricultores locais, convencendo-os a passar da agricultura química para a orgânica. É uma decisão muito difícil, ligada não apenas a grandes riscos, mas também a perdas, pelo menos nos primeiros anos.


Não faz muito tempo, quando todos os agricultores eram orgânicos. Até a geração de nossos pais não se usou fertilizante. Mas hoje em dia ninguém acredita que se possa cultivar qualquer coisa sem produtos químicos. Cultivar orgânico significa também encontrar uma nova fábrica e um novo mercado. Na minha área, sou o único e alguns outros que já estão dispostos a seguir. Mas tenho que testar o mercado primeiro. Quando meu negócio estiver estável, terei mais argumentos para convencer outros agricultores a mudar. Espero que eles me sigam. É um desafio de ambos os lados: agricultores, que não são tão fáceis com as mudanças, mas também clientes que simplesmente não se importam. Eles querem arroz barato. Não há muita consciência sobre o arroz orgânico em nossa sociedade.


Tor tenta vender a colheita usando muitos canais diferentes.


Ontem mesmo, um cara me ligou. Ele quer uma quantidade bastante grande de farinha de arroz todos os meses. O problema é que eu nunca fiz a farinha antes. E não sei em quem posso confiar. Não posso encomendá-lo para um local comum, é muito arriscado. Se a farinha não for boa o suficiente, posso perder minha reputação. Você constrói a confiança lentamente, passo a passo. É muito mais importante do que qualquer grande encomenda.


Depois de uma longa luta interna, Tor finalmente rejeitou a ordem, mas o cliente decidiu esperar por ele o tempo necessário. A farinha é apenas uma entre a longa lista de produtos de arroz que Tor vende. Durante nossos poucos dias de estadia, tivemos a chance de experimentar seu delicioso sorvete de riceberry, ajudamos a limpar e embalar sabão de arroz, conversamos sobre sua experiência na produção de bolachas de arroz, vinho de arroz e macarrão de arroz. Além disso, Tor imediatamente colocou em prática nossas sugestões.


Tentei embalar diferentes tipos de arroz com cores diferentes em um único pacote, como você sugeriu, e parece funcionar. Você pode embalar um pouco mais para mim?


A imaginação de Tor não se limita aos seus produtos. Ele já tentou abrir um restaurante local (ideia adiada para um momento futuro) e iniciar uma fundação que visa ajudar crianças de famílias pobres a irem à escola. É apenas o começo, mas Tor nos perguntou sobre conselhos e possíveis soluções para fazer isso funcionar corretamente.


Eu acho que ajudar as pessoas, doar, é essencial na vida de alguém. Eu quero fazer algo de bom para os outros. E isso volta para mim como felicidade. No final do dia, sinto-me feliz por poder fazer algo para ajudar.


Depois de alguns dias com o Tor, sentimos que é completamente verdade. A primeira imagem que vem à nossa mente quando pensamos nele é o sorriso. Uma atitude muito calorosa em relação a outras pessoas, sua família, trabalhadores. E a capacidade de resolver problemas antes que eles realmente apareçam. Algumas vezes estávamos discutindo algo entre nós, quase discutindo, e Tor acabava aquilo com a solução dos problemas por uma frase ou movimento. Seu carinho e cordialidade combinam-se com uma abordagem pragmática do trabalho. Tor delega tarefas de maneira rápida e eficaz, planeja o que deve acontecer e quando. Ele foi capaz de aproveitar nossa ajuda de alguns dias. Desde a limpeza e a retirada do arroz com três máquinas operadas manualmente, até a pesagem e embalagem até o transporte e a venda - em apenas alguns dias contribuímos para todas essas etapas, tendo a chance de experimentar a dura vida de um fazendeiro. Especialmente o agricultor orgânico, que não pode vender o arroz para a fábrica normal.


Se eu vender o arroz para uma fábrica normal, eles apenas o misturam com o outro arroz químico. Por enquanto, faço-o manualmente junto com meu cunhado. Também abri minha própria loja para vender arroz orgânico e, acima de tudo, estou construindo a confiança na comunidade. Às vezes, dou arroz às pessoas de graça, para que eles possam experimentar, provar e decidir se querem voltar para mais.


E lentamente eles voltam. Construir a confiança é um processo lento, requer muita paciência. O mesmo acontece com o cultivo de arroz. Tor semeia duas vezes por ano (muitos agricultores conseguem fazê-lo apenas uma vez) - por volta de julho e março. Nos meses seguintes, o arroz cresce dentro d’água, vulnerável a ataques de animais (se for realmente orgânico) e aos elementos [da natureza]. Por volta de novembro e junho, é tempo de colheita, trabalho físico duro com calor sufocante, o que requer bastante força e paciência. O resto do tempo, Tor está ocupado com o processamento do arroz e com a procura de novos clientes.


As culturas orgânicas estão sempre ligadas aos riscos: a natureza as deixará sobreviver? Os animais as comerão antes? Essa é uma das maneiras de distinguir uma colheita química da orgânica - existem animais por lá? Existem caranguejos e peixes na água em que o arroz é cultivado? Existem pássaros e insetos voando por lá? Se sim, significa que eles não morreram com produtos químicos e que o arroz também é seguro. Mas quantos consumidores se importam com isso? O suficiente para permitir que agricultores como Tor sobrevivam e evitem voltar à produção em massa? A responsabilidade está em nossas mãos como consumidores.


P.S.: Uma de nossas responsabilidades é nos informar sobre diferentes maneiras de cultivar. Não é necessário dizer que as coisas são mais complicadas do que uma simples equação orgânica = boa, química = ruim. Para saber mais sobre produção orgânica, visite: http://www.ifoam.bio/



Changemaker, Chamlong Dokkratok (Tor) - agricultor de Korat (Nakhon Ratchasima), Tailândia, que se dedicou à produção orgânica de arroz.



Para preparar o arroz para venda, ele deve ser pesado, colocado no saco e selado adequadamente.

Barraca com arroz orgânico no mercado. Nesse mercado, você pode não apenas fazer compras, mas também experimentar comida tailandesa.


Você encontrou algum erro no texto? Você gostaria de apoiar-nos na tradução dos "Cenários" e das "Estórias" para diferentes idiomas? Contate-nos agora mesmo! Nós estamos constantemente procurando pessoas para nos ajudar com outros idiomas. Vamos juntos tornar os materiais dos Changemakers disponíveis para mais pessoas! --> hello@exchangetheworld.info


Mais estórias dos Changemaker: exchangetheworld.info